<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

10.4.10

Passeio Público

{Cultura}
Quando se fala da “cultura Coimbrã”, seja lá o que isso for, a retórica dos tribunos cede quase sempre à territorialização excessiva de culpas, responsabilidades e comprometimentos. Por outro lado, à voragem da escolha inequívoca de campo junta-se a tendência para o consabido, ou seja, a propensão para destacar de forma acrítica todos os postulados e lugares-comuns que nem sempre correspondem à verdade.

Possivelmente, não será inteiramente lícito corresponder à impressão generalizada de “decadência cultural” uma culpabilidade autárquica (designadamente à anterior vereação da Cultura), ou mesmo corresponder essa mesma sensação transversal de declínio à realidade.

O estado da cultura em Coimbra é muitas vezes pintado de tal modo que se torna difícil contestar, ou mesmo discutir, a sua situação de forma criativa e fecunda – e, como é de supor, não se espera que os debates, mais ou menos cíclicos e redundantes, balizem estratégias e planos com sequência prática a médio e longo prazo. Parece claro que Coimbra não deve muito a outras cidades no que respeita à quantidade e qualidade da produção cultural – o que se verifica, indubitavelmente, é uma fragmentação e uma desarticulação programáticas que dificultam a fidelização de públicos e criam uma sensação difusa de vazio ou pequenez.

Contudo, a diagnose de uma espécie de depressão endémica na cultura da cidade vem sendo feita já há muito tempo, por pessoas afectas a sensibilidades e ideologias diversas. Este diagnóstico, por muito rígido que possa parecer, não pode ser tomado como uma falácia absoluta. As pessoas não sentem no vácuo: algo se passa na cultura em Coimbra, que não se isenta de imperfeições e lacunas.

O discurso prevalente sobre a cultura Coimbrã, que enfatiza a perda e o declínio (uma construção típica de um certo provincianismo), coexiste com a defesa de um “estado cultural” auspicioso, criativo e luminoso. Podíamos concordar com qualquer uma das posições mas felizmente o mundo não é a preto-e-branco.
{Sexta-feira, 02/04, no Jornal de Notícias}

Etiquetas: ,