<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

2.3.10

Passeio Público

(Percepções do risco)
«A natureza humana não suporta tanta realidade». A inflexibilidade poética de Luís Quintais (um «pessimista antropológico») reconhece a subsistência pós-tecnológica do mais ancestral dos sentimentos: o medo. Furacões, terramotos, inundações – todo o tipo de desastres naturais. É assim que os dias vão passando. Desde que o furacão Katrina destruiu Nova Orleães, pelo menos, que um futuro suspeitável, e terrível, ensombra as conversas dos cidadãos e os projectos dos políticos. A tragédia da ilha da Madeira é mais um tristíssimo episódio da eterna luta entre a força amoral da natureza e o esforço de sobrevivência dos humanos.

A história é, por vezes, um espectáculo demoníaco. Porém, os pretéritos históricos devem fundar, em particular, o supremo esclarecimento que nos guia por entre as ruínas do medo. A percepção do risco, espoletada com os acontecimentos funestos do Haiti e da Madeira, é agora especialmente premente na região de Lisboa. O dia um de Novembro de 1755, o dia do Grande Terramoto, continua bem vivo na memória traumática dos lisboetas, apesar de já terem passado mais de 250 anos após esse evento terrível e definidor.

A maior parte dos estudos científicos sugere a possibilidade de um novo abalo na região de Lisboa. No caso de tal acontecer, e de acordo com o “Plano Especial de Emergência de Risco Sísmico da Área Metropolitana de Lisboa e Concelhos Limítrofes”, o número de vítimas mortais, de feridos graves e de desalojados será da ordem das dezenas de milhares. Obviamente, esta “arena do possível” pode nunca tornar-se realidade – esperemos que não. Contudo, as lições da história não devem ser desprezadas.

Desse modo, os projectos de reabilitação e construção urbana devem incluir expressamente uma componente de resistência à acção sísmica e o Plano Director Municipal deverá proibir a construção de novos edifícios, sobretudo infra-estruturas básicas, nas zonas críticas identificadas em diversas análises de risco. Não é provável que se possa conter totalmente a energia devastadora de um sismo, mas é possível mitigá-la.
(Sexta-feira, 28/02, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: ,