<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

21.2.10

Passeio Público

(Carnaval em segunda mão)
Acabou finalmente o período mais triste do ano. Durante três dias, de Ovar a Loulé, passando pela Mealhada e Figueira da Foz, milhares de foliões desprezaram os conhecimentos básicos da geografia e da meteorologia e ensaiaram mais um episódio do infeliz carnaval que nos calhou em sorte. Proclame-se o óbvio, de uma vez por todas: nem Portugal é um país dos trópicos soalheiros, nem os portugueses possuem, de um modo geral, grande aptidão para dançar o samba. A César o que é César e o mundo não leva a mal se alguém resolver que é melhor seguir um caminho inédito.

Nada me move contra os corsos luso-brasileiros, nem mesmo me impressionam as gentes seminuas que arruínam os ritmos do Brasil entre chuva, frio e trajes de má qualidade. Cada um sabe de si, e eu não sou nem mais nem menos que os outros. A realidade do carnaval luso-brasileiro excede a ínfima questão estética; a dúvida é outra e reclama, mais uma vez, os serviços das injustamente esquecidas ciências da geografia e da meteorologia.

O exemplo da Mealhada é paradigmático: muito samba, muita fantasia, muito frio e, este ano, menos pessoas a assistir. A razão para a cidade bairradina “imitar” o carnaval do Rio de Janeiro é incerta e nem sequer muito importante; contudo, parece-me embaraçosa a repetição anual de um cortejo onde, em vez de uma cadência carioca, se vêem apenas corpos a tiritar na frialdade atmosférica. Aquele cortejo, como tantos outros em Portugal, é estranho sem ser exótico, deslocado sem ser fascinante. Faz tanto sentido como ir à “Meta” comer picanha.

Começou a Quaresma e, afinal, o período mais triste do ano já faz parte do passado. Para o ano regressa o extravagante carnaval luso-brasileiro, pródigo em alegres figuras tristes. Afinal, apesar de importado é a imagem deste país: tristonho, frio e em segunda mão.
(Sexta-feira, 19/02, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: