<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

24.1.10

Passeio Público

(Ventos de Espanha)
As autoridades portuguesas e espanholas parecem estar de acordo: a ETA pretende estabelecer uma base operacional em território português. As buscas do lado de cá da fronteira já começaram e todos os anexos, garagens ou barracas suspeitos têm sido prontamente esquadrinhados, revistos e vistoriados, não vá dar-se o caso de por lá se fabricarem bombas e outras armas de destruição maciça.

As investigações centraram-se nas regiões do Douro e Beira Litoral, concretamente no Porto e em Coimbra. Aparentemente, outras zonas, mais próximas da fronteira, não reúnem as características perfeitas para o estabelecimento de uma base permanente, uma estrutura a partir da qual a organização separatista basca pode lançar ataques sobre o país vizinho.

Contudo, uma base em Coimbra, com toda a logística associada, não queda pelo preço da uva mijona: recordemos o custo da habitação na cidade, sobretudo se a intelligentzia separatista procura apartamentos com garagem e quartos que cheguem para três ou quatro etarras (suponho que, apesar de bombistas, os filiados da organização não abdicam de um mínimo de privacidade).

Por outro lado, a cidade abunda em “festas Erasmus”, com estudantes espanhóis em barda, pelo que não será difícil a um terrorista passar despercebido entre aqueles jovens, dos mais típicos e emblemáticos da fauna académica conimbricense.

Ao “estudante Erasmus” acresce uma outra possibilidade de disfarce: a de turista. A afluência de espanhóis à cidade é razoável, e acha-se em crescendo, por via da oferta cultural e da aposta que a empresa municipal de turismo tem realizado em Espanha. Nas festas da Rainha Santa ou nos Dias Santos de Guarda, em frente ao memorial à irmã Lúcia, ou ainda na Biblioteca Joanina (e, quem sabe?, até no estádio Finibanco), não escasseiam na cidade os irmãos castelhanos, leoneses ou catalães. Enfim, que a partir de Coimbra se lancem as sementes da liberdade.

Entretanto, um protocolo da Universidade de Coimbra com o Banco Santander (instituição económica cantábrica e, portanto, vizinha do País Basco) vai permitir o restauro da Torre da Universidade. Há ventos que sopram desde Espanha, e nem todos são desagradáveis.
(Anteontem, 22/01, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: ,