<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

30.3.10

Passeio Público

{Sem discussão}
Até muito recentemente o couto privado da medicina limitava-se sobretudo aos consultórios e clínicas de pequena ou média dimensão – usualmente, detidos e administrados por profissionais médicos ligados, de uma forma ou de outra, ao Serviço Nacional de Saúde (SNS). Não obstante, este quadro modificou-se substancialmente na última década, com a assomada vigorosa dos grandes investimentos em infra-estruturas de saúde privadas, designadamente os hospitais privados.

O conceito fundador destes hospitais recupera (sob o signo da economia) todas as formas de acesso discriminado à saúde. Este semblante infame da privatização da saúde é incontornável: ao “clientelizar” os doentes, as administrações dos hospitais privados colocam (mesmo que de uma forma inconsciente) a economia à frente da saúde e o dinheiro à frente das pessoas. Quem tem dinheiro para pagar o acto médico (ou dinheiro para pagar o seguro que vai pagar o acto médico) é examinado e tratado – em princípio, bem tratado. Quem não tem dinheiro… Bem, imaginem o final da história.

Obviamente, estas infra-estruturas de saúde privada surgiram primeiro em Lisboa mas rapidamente se metastizaram para outras regiões do país. Brevemente, também em Coimbra irá surgir um hospital privado: o Hospital de Santa Filomena, cujo projecto foi recentemente apresentado. A divisa do novo hospital, “a sua saúde é o nosso futuro!”, é extremamente interessante e não menos reveladora. Afinal, a “nossa saúde” (leia-se “o nosso dinheiro”) irá certamente garantir o “futuro” do hospital e dos seus proprietários.

Não encontro qualquer vantagem na privatização da saúde – mesmo que se alardeie o investimento no I&D (investigação e desenvolvimento), como no novel Hospital de Santa Filomena. Os hospitais privados são apenas uma das muitas faces da disrupção social do país, da iteração de erros discriminatórios do passado. O acesso aos cuidados de saúde deverá ser universal e tendencialmente gratuito. Sem discussão.
{Sexta-feira, 25/03, no Jornal de Notícias}

Etiquetas: ,