<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

4.12.09

Passeio Público

(Educar é preciso)

Uma mulher (ainda nova) suportou durante anos, em silêncio, os maus tratos do marido. No limiar do desespero, dirigiu-se à GNR de Montemor-o-Velho e apresentou queixa, esperando livrar-se em definitivo das iniquidades a que estava submetida. Algumas horas depois, o cônjuge matou-a com dois tiros de caçadeira. Mais tarde, este homem atirou sobre a GNR, no interior do posto, matando um guarda e ferindo outro. A história parece banal mas isso só piora as coisas. Nestes momentos, o país parece um pasto de chacais. Os homicídios de mulheres continuam. Às vezes, como em Montemor, outros inocentes são arrastados para o vórtice destrutivo.

Tudo isto é triste, evidentemente. Repulsivo. A consciência plena deste tipo de crimes (a sua autópsia escrupulosa nos jornais diários ou nas revistas de psicologia) parece não acrescentar um sobejo de experiência à dor e à indignação que a morte de uma mulher excita na generalidade das pessoas. Ao contrário do que reclama a horda, uma solução mínima não pode contemplar a pena de morte, a “exposição pública do homicida, que dever arder em frente de todos, nu e paulatinamente”. O regresso às trevas não é admissível.

A solução, se é que existe “uma” solução, deve contemplar as circunstâncias que se situam a montante dos crimes, ao mesmo tempo que deve providenciar segurança às mulheres que decidem queixar-se de quem lhes faz mal. Tudo o que não aconteceu em Montemor, de resto. Educação, civilidade e segurança: deve começar-se por aí. A psicologia e a sociologia podem vir depois – mas sem a estruturação básica do carácter de alguns homens não hão-de resolver nada.
É por isso que uma noção lata de “complexidade” não deve ser esquecida no caso dos crimes contra mulheres. Recusar a simplicidade dos argumentos ou das soluções possíveis é dar armas às mulheres para se defenderem. Montemor-o-Velho, como o mundo, não é a preto-e-branco. O crime (o mal) não se pode reduzir aos fuzileiros, aos toiros ou ao álcool. O crime é a negação da etiqueta social. Como diria o outro: educar é preciso.
(Hoje, 04/12, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: , , ,