<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

21.5.09

Passeio Público

(Aos Domingos)

Há muitas razões para se gostar da Académica de Coimbra (Organismo Autónomo de Futebol), um clube de estudantes e doutores, respeitável e precioso; estimado, senão com bonomia, pelo menos com alguma displicência, pelo povo deste nosso Portugal (exceptua-se do embrulho o vimaranense mais intransigente). Há quem ache, possivelmente a maioria, que é um clube “simpático”; outros louvam a integridade de uma verdadeira “escola de homens”; e alguns, ainda, reconhecem-lhe a herança (documentada) de luta pela liberdade, muito antes da segurança democrática de Abril.

Eu gosto da Académica porque é o clube da minha cidade, porque o luto perpétuo do equipamento soleniza um certo apego aos sonhos de uma tribo imaginada. Não me move porque irradia a “inocência do amadorismo”. Do que eu gosto mesmo é de futebol, e da indiscrição do triunfo – com golos, correria e grandes penalidades. O resto (a pacholice do “mito da simpatia”) serve, quando muito, para jogos de solteiros contra casados.

Durante anos, o futebol da Briosa balançou entre a mediocridade e a ingenuidade – quase sempre com maus resultados. Felizmente, há quase dois anos chegou a Coimbra um homem nascido e cumprido na mais admirável indústria de campeões do país, o Futebol Clube do Porto. Domingos Paciência, pois se é dele que falo, não se limitou a desenvolver um exercício estético de futebol. Domingos corrigiu um atraso de duas décadas, pelo menos, e transformou os “pardalitos do Choupal” em extraordinárias aves de rapina; convenceu-os, enfim, que a vitória é a menor das vergonhas.

Uma certeza (ou duas) determina este interesse contingente sobre o futebol da Briosa, quando ainda falta um jogo para o final do campeonato. A Académica pode até perder no “D. Afonso Henriques”, e o Marítimo pode até vencer no “Mar”, mas a melhor classificação da equipa de Coimbra nos últimos 25 anos está já garantida. Infelizmente, o treinador está de saída. Vai-se embora o Domingos. Paciência. A Académica é maior que todos nós.

(Ontem, 20/05, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: , ,