<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

7.5.09

Passeio Público

(O apocalipse)

A gripe chegou finalmente a Portugal. Assistimos, impassíveis, a longos dias de frondosa balbúrdia, que manietou, como se fosse carcereira antiga, jornais e televisões nacionais, esventrados por “suspeitas”, “conjecturas” e “suposições” relativas a uma doença que, rapidamente, se tornou na metáfora pandémica do apocalipse. A gripe, que já foi “suína” e “mexicana”, e que agora ostenta um nome quase saído da notação do xadrez, alcançou Portugal, e apesar do alarido inicial, apresentou-se na forma de “doença perigosa e mortal" mas... sem consequências. O caso diagnosticado foi “benigno”, não necessitou tão-pouco de intervenção terapêutica – conforme, aliás, os casos até agora diagnosticados na Europa. Procuram-se tanto os fantasmas que, um dia, eles revelam-se (sendo, aliás, outra coisa qualquer).

Aparentemente, podemos contar com uma boa resposta do sistema de saúde a uma ameaça deste género. A ministra da Saúde, Ana Jorge, tem transmitido contenção e serenidade, de uma forma que eu julgaria impossível nesta conjuntura movediça.

Os hospitais de São João (Porto), da Universidade de Coimbra, de Curry Cabral e de D. Estefânia (Lisboa) são as muralhas de aço da Direcção-Geral de Saúde, com mandato para distanciar de nós o cálice do fracasso. As cinco regiões de saúde do país seleccionaram, nos últimos dias, os centros de saúde que vão funcionar como Serviços de Atendimento da Gripe. Portugal teria até a capacidade de produzir vacinas antigripais se a fábrica (da Medinfar) de Condeixa-a-Nova, no distrito de Coimbra, apregoada com pompa em 2006 por três ministros, tivesse abandonado a quietude romanesca do papel. Nem tudo pode ser perfeito.

Entrementes, a Organização Mundial de Saúde anunciou a desaceleração da incidência (i.e., do aparecimento de novos casos) da gripe H1N1. O abismo ainda não é uma certeza a despedaçar-nos o corpo, estamos ainda longe desse estrondo final. O apocalipse, oferecido ao mundo em “prime-time”, talvez tenha que esperar por uma nova oportunidade para ser feliz.

(Ontem, 06/05, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: