<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

2.11.07

Si rimisero a pensare


Em quê? Ou melhor: em quem? Eis o abecedário da dúvida. O meu irmão mais novo acabara de descobrir o Shangri-la. Celebrámos a ternura do momento. Para quê? Corri pelas ruas acossado pelos cães de olhos tristes, bestas antigas de melancolia, carraças e pontapés no traseiro. Eu tinha asas de peixe morto [das canastras estridentes da lota]. Parecia ouvir-te em surdina, vozinha de barítono gorducho: corre, corre, corre! E eu corri. [Perche?] Eu não queria correr. Queria ficar parado para sempre na avenida, criar raízes que o cimento quebrado tornasse devolutas. Talvez ela passasse por mim irreconhecível de ninhos e clorofila, uma tarde entrada na noite, depois das missas de sétimo dia e das confissões forçadas a um cura manso de vinte séculos. E eu estaria ali para ela. Para o que ela quisesse fazer comigo e com as minhas mãos de negro esbranquiçado pelos genes. Uma estátua de carnes moles, comida pelo vento de anos e pelos olhares senis das raparigas. Corre, corre. Parecias dizer-me. E eu corri. Apesar da fluidez mesquinha e inquebrantável da derrota.

Etiquetas: , ,