<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

22.7.04

Agostinho na curva 17

Em Alpe d'Huez o fantástico americano deixou o mundo atrás de si, a sua bicicleta negra com pouco  mais de 6 kg adejando como uma bala sobre o esfalto. Se todos os outros subiram a montanha, Lance parecia ter caído num precipício, tal a velocidade que imprimiu durante o contra-relógio.

José Azevedo demonstrou que não é o mero aguadeiro do magnífico Armstrong, é antes o depositário fiel da herança genial de Joaquim Agostinho, o deus velocipédico de Brejenjas. A passada feroz de Azevedo na curva 17, a de Agostinho, a sua extroversão de menino que aprende a dar as primeiras voltas na bicicleta "roda 16", emocionou-me, quebrou as parcas resitências que eu cozinhava em relação à sua qualidade. Lembrei o Agostinho que nunca vi correr mas que pairava ao longo da estrada, amparando o português que, num desporto que parece ser de um homem só, é o melhor "jogador" de equipa.


Agostinho