<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

21.7.04

Blogues e morte


Pouco tempo depois de ter soçobrado ao que um dia designei por “apelo lânguido da moda blogue” verifiquei – não com pouco espanto – que, mais que uma moda, o blogue se tornara uma ferramenta de escrita e reflexão empenhada por um crescente número de pessoas. Há pouco mais de um ano, incorporei a naturalidade da génese exponencial de novos blogues, alimentada por visitas diárias a inauditos nomes e links e pela natural excitação da descoberta.
Agora, olho para a coluna da direita, e contemplo – com pesar – o aumento dos blogues cujo nome é acrescentado de um decoroso mas elucidativo “[RIP]”. Blogues que morreram, por causas várias, que não me interessa discutir, mas que denunciam um incontornável apotegma: “um dia, todos morremos”. E na blogoesfera tudo é rápido de mais, até a morte.

p.s. Tem a ver este texto com a “morte” de um blogue muito caro ao humilde escriba. Porém, nem tudo são más notícias.