<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

29.6.04

Simulacro

As parcas memórias de exterioridade acorrem a esta cela pequena e suja, agora que falta tão pouco para que eu pague a última prestação do que devo ao mundo. Três semanas, apenas. Um acto não vale a vida inteira de um homem, li num conto de Borges, mas quando matei aquele homem para o roubar, quando tirei uma vida para tentar salvar outras três – um filho, uma esposa, eu, famintos – o acto deliu qualquer réstia de esperança numa vida que acabou ali. Mas que digo? Eu continuo por aqui, e aquele homem não passa de um estranho aglomerado de ossos, coberto por seis palmos de boa terra portuguesa. Ou serão sete? Divago como Raskolnikov, meu irmão assassino. Nem isso. Eu sou uma fantasia que fantasia um irmão assassino, também ele uma fantasia de outro. Mas a vida é isso, um simulacro de simulacros. E não sou eu que vou colocar isso em causa.

Etiquetas: , ,