<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

15.3.04

Como eu vi “The Passion of the Christ”



O olhar pessoal de Mel Gibson sobre a Paixão de Jesus Cristo pode vir a ser rememorado no futuro unicamente pela extrema violência, com mantença quase pornográfica e constante de grande parte do filme, e pela controvérsia que suscitou em redor do seu alegado anti-semitismo. A inquietude que provocaria no espectador médio o martírio de um Homem inocente é, quase sempre, substituída por pormenores escabrosos e sádicos de violência, se não gratuita pelo menos barata. Aí penso que Mel Gibson cometeu um erro teológico, pois, ao incidir as câmaras no sofrimento extremo do Galileu, atraiçoou-O, como tão bem notou Frei Bento Domingues; já que Jesus passou todo o tempo da sua vida a chamar a atenção para o sofrimento dos outros. Não obstante, parece-me que, no essencial, “The Passion” não envereda por sendas substancialmente diferentes das registadas nos Evangelhos. Ninguém duvida [eu não, pelo menos] que o Nazareno foi morto, não por vontade de todos os Judeus ou de todos os soldados das legiões romanas de Jerusalém, mas antes devido empenho de um pequeno grupo de Judeus e ao pouco desvelo do governador romano Pôncio Pilatos. E, sobretudo, o Nazareno feneceu no madeiro por desígnio de Deus, para nos remir, humanidade, do pecado. Esta é a promessa do Messias. E se durante o filme os espectadores do filme ficam revoltados com o sofrimento daquele inocente, tal fúria propende, não para todos os Judeus e toda a soldadesca do Lácio, mas para aqueles senhores que, durante o filme, se empenham em matar e torturar Jesus. As pessoas não são estúpidas. Quem é fanático não precisa de retirar argumentos falaciosos deste filme para alimentar o seu ódio.

p.s. Aquilino Ribeiro chamou-lhe, n’A Casa Grande de Romarigães, a “Roma portuguesa”, aludindo à sua qualidade de cidade eclesiástica e arcebispado primaz do país. Foi, pois, em Braga que vi o “Evangelho segundo Mel Gibson”.