<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

26.6.10

Passeio Público

{Tragicomédia}
A crise económica condiciona e atrapalha tudo. Justifica tudo. Enfim, quase tudo. Há muito que o Metro Mondego se enreda em devaneios de jubilado pachorrento, a ver o mundo passar, enquanto à sua volta tudo se desmorona. Os tropeções têm sido tantos, e tão patéticos, que o último acto da comédia não foi propriamente surpreendente. A bem dizer, os cortes no projecto determinados pelo ministro das Finanças e que, no mais amargo dos cenários, podem até comprometer as obras em curso, são apenas mais um prego espetado num ataúde que desde o início parece destinado a uma cova bem funda.

Infelizmente, até as críticas avinagradas de um grupo de pais preocupados serviram no passado como pretexto para emperrar a partida de um projecto que, cada vez mais, celebra o seu desígnio de utopia de papel. Logo, as restrições ao financiamento motivadas pelo Programa de Estabilidade e Crescimento – a razão pela qual não foi aprovado o plano de actividade da Sociedade Metro Mondego na última assembleia da empresa – apenas adensam um panorama que é geneticamente negro.

A renovada demora num projecto que, afinal, ainda não passou disso mesmo, configura uma verdadeira ofensa à cidade de Coimbra e aos concelhos circundantes, que também beneficiarão do metro ligeiro de superfície. Em qualquer um dos cenários sugeridos, a calendarização do metro vai sofrer modificações. Para além disso, perder-se-á muito dinheiro ao optar-se pela suspensão das obras. No final, quem perderá mais irão ser a cidade e os seus habitantes.

Já o afirmei anteriormente, mas não posso deixar de o dizer outra vez: os fiascos reiterados do metro de superfície conimbricense assemelham-se a uma “opera buffa”, a uma farsa que irrita mais do que entretém, a uma verdadeira tragicomédia com um final doloroso.
{Ontem, 25/06, no Jornal de Notícias}

Etiquetas: ,