<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

8.5.10

Passeio Público

{A linguagem do progresso}
Li a entrevista que Pedro Vaz Serra, o presidente do Clube de Empresários de Coimbra (CEC), concedeu recentemente ao “Diário de Coimbra” e, apesar da omnipresença de um glossário empresarial demasiado técnico para o meu parco entendimento, simpatizei com o tom geral das respostas – sobretudo porque Vaz Serra parece não ter sucumbido à fantasmagoria apocalíptica da crise que contamina indiscriminadamente a sociedade portuguesa.
Nesse sentido, o dirigente máximo do CEC aponta caminhos e sugere estratégias que sustentem o desenvolvimento da cidade de Coimbra e, lato sensu, de toda a região Centro. As ideias de Pedro Vaz Serra são geralmente boas, mas vagas e superficiais – talvez a paisagem limitada de uma entrevista não admita qualquer tipo de pensamento complexo ou, muito simplesmente, distante dos chavões do “economês”.
É extremamente fácil circunscrever as hipóteses de crescimento económico a noções vagas como “Investigação & Desenvolvimento”: um tema que se integra claramente no princípio da comunicação tecidual, que se repete e propaga de forma acrítica. A linguagem torna-se, necessariamente, pobre e redundante. As palavras de Vaz Serra convocam uma ideia de repetição, de continuidade estática, que subsume a realidade a uma gaveta fátua de poses e estados.
Mesmo assim, a insistência no dueto redentor “Investigação & Desenvolvimento” poderá servir para suprimir, mesmo que lenta e incompletamente, o crónico atraso português, relacionado com as fracas competências dos gestores e trabalhadores, do analfabeto funcional ao doutorado. Os protocolos celebrados com a Universidade e o Politécnico são boas iniciativas, que podem ajudar a preencher o espaço lacunar que medeia a academia do mundo do trabalho, mas são também, e infelizmente, apenas grãos de areia num deserto de indefinições e desorientação.
{Ontem, 07 de Maio, no Jornal de Notícias}

Etiquetas: ,