<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

14.6.10

Passeio Público

{Jardins do Éden}
São coisas que acontecem. Uma pessoa (digamos, um engenheiro ou um responsável autárquico pelo urbanismo) distrai-se e quando se dá por ela os pândegos dos operários já construíram um andar a mais numa série de prédios localizados numa zona central da cidade de Coimbra. Entre reuniões, papelada burocrática, cafés e palavras de desincentivo à fiscalização, há alguém que fareja a tramóia e acaba com a macacada que queria levar os edifícios do empreendimento “Jardins do Mondego” até ao céu, imitando em versão manhosa a história da Torre de Babel.

Basta considerar os principais intervenientes deste capriccio para nos apercebermos de mais um conúbio desventurado dessa santíssima trindade da prestidigitação: autarcas, dirigentes desportivos (versão circunscrita ao futebol) e empreiteiros. Longe de mim afirmar que todos os autarcas, dirigentes e empreiteiros são desonestos: estes são uma minoria que, sem dúvida, mancha a face das três classes – sobretudo daqueles que sempre conduziram a sua vida com a probidade devida ao cargo que desempenham. Todavia, quando se metem gatos desta natureza no mesmo saco, a fábula só excepcionalmente pode ser moral.

Entretanto, decorre o julgamento do presidente da Académica/OAF e ex-director municipal da Administração do Território, José Eduardo Simões, acusado de nove crimes de corrupção, e o enredo adensa-se, muito por causa das ocorrências caricaturais que vão marcando de forma indelével as sessões de julgamento, como a “amnésia” do empreiteiro Fernando Marques dos Santos.

Se tudo isto não passa de um monumental equívoco, ou de mais uma acção pútrida da “santíssima trindade”, cabe ao tribunal decidir. Por enquanto, resta a esperança de que o gato escondido sempre mostra o rabo e que a verdade se há-de apurar. Toda a gente sabe que o Jardim do Éden era um paraíso na terra, apesar da interdição de merendar maçãs; esperemos que os Jardins do Mondego não se tornem no paraíso daqueles que fazem o que querem nas entrelinhas da lei.
{Sexta-feira, 11/06, no Jornal de Notícias}

Etiquetas: ,