<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

29.8.09

Passeio Público

(Imagem e palavra)

Falta fazer uma etnografia das campanhas eleitorais em Portugal. De resto, poder-se-ia começar a investigação estudando a iconografia, os brindes (lembro com horror as saias de plástico com que nos quiseram comprar o voto durante a década de 1990) ou os carros de campanha que seguem os candidatos como fidelíssimos perdigueiros. Estudava-se a cultura material, portanto. Pedaços do mundo físico aos quais foi atribuído um valor cultural, como me foi ensinado há longos anos. A música, como é óbvio, teria um lugar de destaque em qualquer monografia deste tipo. Durante a campanha, os Zés-Pereiras coabitam com o Luís Cortez, e nas notas falhadas das gaitas de foles confessam-se alegrias e afectos, descontinuados, aqui e ali, por fiapos de melancolia.

O estudo (i.e., uma olhadela apressada) dos cartazes de campanha é particularmente interessante, e muito informativo. A fotografia dos candidatos é, normalmente, um logro à «genuína ilustração» (adulterando Kleist) dos mesmos. A fotografia convoca a experiência, reifica-a e certifica-a. As criaturas que aprisionam Cristo no “Ecce Homo” de Quentin Massys lembram-nos a dura lição: a cara de um homem não engana outro homem. Mas isto é a teoria. Na prática, quando olhamos distraidamente para os retratos de Horácio Pina Prata, Álvaro Maia Seco ou Carlos Encarnação não podemos ter a certeza de quem são aqueles homens; não podemos ter a certeza se o trabalho, o amor e a ambição correm sinceramente na expressão do seu olhar ou se são meros artifícios do Photoshop.
As palavras também contam; o designativo “Coimbra”, sobretudo, é tão conspícuo que, paradoxalmente, perde a sua importância simbólica. A repetição desgasta-o. As palavras que sobram são, também, reveladoras: na locução “Com Amor”, de Carlos Encarnação, pressente-se a pureza das bem-aventuranças (como em Jesus); na máxima “Com Trabalho”, de Pina Prata, adivinha-se o cumprimento severo do dever (como assegurou Kant); e na expressão “Com Ambição” de Álvaro Maia Seco, sente-se a determinação de converter a cidade numa casa feliz (como diria o doutor Samuel Johnson). Tudo isto é verdade, ou não. Palavras, leva-as o vento.

Etiquetas: , ,