<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

8.8.09

Passeio Público

(Geometria ética)

Provavelmente poucos estariam à espera que Isaltino Morais, o presidente da autarquia de Oeiras, fosse tão severamente condenado pelo colectivo de juízes do Tribunal de Sintra. Antes de conhecida a sentença - sete anos de prisão efectiva e a perda do mandato, saibam-no os mais distraídos – talvez ninguém supusesse que seria este o final da história.

Desenganem-se, não é. A justiça é um rio longo, e perde-se muita água pelo caminho. Ainda há tempo para outras batalhas: Isaltino vai recorrer da sentença e mantêm, com toda a naturalidade, a sua candidatura à Câmara Municipal de Oeiras. Está no seu direito. Ninguém pode ser punido antes de a decisão transitar em julgado.

Todavia, esta situação não se resume à matéria do foro criminal; configura, ainda, uma posição ética e moral, salientada, de resto, pela juíza Paula Albuquerque. Note-se, aliás, a posição de Marques Mendes relativamente à presença de arguidos em processos criminais nas listas do PSD. Não basta uma ética da seriedade; não basta uma lisura geométrica; a aparência de seriedade e de lisura é tão importante como a própria seriedade e lisura. Esta anatomia da suspeita é parte essencial da política contemporânea.

No teatro da crueldade, o “autarca (e, por extensão, o político) português” é, o mais das vezes, uma figura injustamente malquerida e estigmatizada. E Isaltino Morais é o autarca arquetípico, rapsodo e engenhoso. Liberto do “ruído da ideologia” e dos espartilhos partidários, repetindo uma estética pouco esdrúxula em cada charuto fumado, condenado em primeira instância pelos tribunais.
O voto dos eleitores é diferente do voto dos juízes. “A política está num lado e a justiça noutro”, adverte o autarca oeirense. Talvez Isaltino ainda vá a tempo de adoptar o slogan do infame Adhemar de Barros, que rouba mas faz. Afinal, Oeiras é dos concelhos mais desenvolvidos do país – disso não tenho qualquer dúvida.
(Ontem, 07/08, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: ,