<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

12.6.08

Passeio Público

(Um robô sem coração)

O abandono do descampado. O ensejo em que se dá o irrevogável passo em frente. O instante derradeiro em que se tenta ainda dar um passo atrás, quando a deflagração é já uma evidência a mutilar o corpo. Depois, o corpo é lembrado: quando dói na ausência de um membro, quando verte a soma das partes perdidas. A história podia ser assim, mas é sempre pior. Mesmo as palavras mais terríveis ocultam a marca verdadeira do sofrimento e da violência.

São tantas as minas anti-pessoais dispersas pelo mundo, e tantas as tragédias com que juncam o solo, que quando li acerca de uma máquina de desminagem desenvolvida e construída em Coimbra, na sua universidade (UC), imaginei um pouco de luz por detrás da penumbra.

A máquina (um robô auto-propulsionado) não tem coração mas os seus desígnios são os melhores. A informação que intimamente reúne (um entrançado de «algoritmos de software») e os multíplices detectores de minas (e de outros mecanismos explosivos) que transporta provaram a sua eficácia num campo militar belga, revelando aos longínquos investigadores todas as minas que se resguardavam na negrura da terra.

Um engenho assim desfaz o sorriso indeciso e vago, obriga-nos a esquecer as ruínas por onde nos movemos. Cria sentido – ou melhor, cria uma oportunidade. Um amanhã possível.

Não se entende, por isso, o alheamento do Exército relativamente ao robô anti-minas criado na Faculdade de Ciências e Tecnologia da UC. Não se compreende, por isso, a distância do Exército relativamente a um maquinismo de desfazer memórias numa casa cheia de más recordações.

A investigação está concluída, diz um dos coordenadores do projecto. O robô sem coração – mas paradoxalmente tão humano – está destinado, parece-me, à obscuridade das prateleiras. Escolhemos entre o mal e o esquecimento. A escolha é instintiva e limpa, a omissão é o pecado de eleição no gordo Ocidente. E, contudo, o mal não existe fora de nós.
(Ontem, 11/06, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: