<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

10.4.08

Passeio Público

(Anatomia da palavra)

Num incerto momento, Fausto regressa ao seu quarto melancólico, ascético, e abre a Bíblia no início do Evangelho de João. Lê: «No princípio era o Verbo». Eis o mundo, criado a partir da palavra.

Há qualquer coisa de sagrado nas palavras. Um universo de potencialidades desmesuradas, sublimes. A promessa de completar o mundo, de lhe acrescentar existência. Tudo é lento à superfície, menos as palavras que esticam (em parágrafos inteiros) o cinzento esgotado da realidade. Lembro-me de um trecho de Anne Carson, a poeta canadiana, que cito de memória: «Quando uma história acaba há alguns momentos de silêncio. Então as palavras começam outra vez». Lembro-me de como preciso de reconquistar a cadência do fôlego quando acabo de ler um livro, de como a momentânea suspensão da razão é necessária para que a vida possa insistir e continuar de novo.

Eu gosto de palavras e de quem as escreve e inventa, gosto de lhes descobrir significados íntimos. Gosto de livros: repositórios físicos da palavra, do sentido, das existências possíveis. Um livro é uma insolência criativa. Como a reprodução ou a plantação de uma árvore configura um acto radical de criação, de arrogante desafio à aridez da vida normativa.

Implacavelmente, algumas palavras soçobram na vertigem das horas. Uma nova revista, a MACA (Magazine de Arte de Coimbra & Afins), um espaço de divulgação e crítica de diferentes manifestações artísticas e culturais. O livro mais recente de João Rasteiro, «O búzio de Istambul». Uma editora. Mais do que isso, uma comunidade de leitores: a Angelus Novus, estabelecida em 1993 entre Coimbra e Braga, e agora definitivamente instalada na primeira.

A Angelus Novus demandou sempre o caminho mais tortuoso: o da qualidade e da exigência na selecção de títulos e autores. Privilegiando inicialmente a área do ensaio (Derrida, Eduardo Pitta ou Ortega y Gasset) e a edição de autores clássicos portugueses (Fernando Pessoa ou Bernardim Ribeiro), a editora de Coimbra tenciona prolongar o fundamental desse legado e constituir um catálogo literário mais variado, destinado a públicos diversificados.

Numa conjuntura em que a concentração e uniformização editorial fazem doutrina, a Angelus Novus repensa o livro enquanto objecto coleccionável, avultando a qualidade gráfica das suas colecções. A editora procura acautelar o cansaço estético suscitado pela exuberância supérflua de muitos livros que subjugam os escaparates das livrarias.

Destaco alguns livros. A microficção de Augusto Monterroso («A ovelha negra e outras fábulas») e de Rui Manuel Amaral («Caravana»): escrita curta e solar, minimalismo genial. A «crise académica» de 1969, exumada em «A tradição da contestação» de Miguel Cardina, e essa extraordinária narração auto-centrada (quotidiana, agónica, redentora) de Laura Ferreira dos Santos, o «Diário de uma mulher católica a caminho da descrença».

É esta a víscera do afecto que uma editora pode ainda expor numa cidade como Coimbra. Porque o importante é continuar a ler. Para um dia sabermos, como Borges, se fomos uma palavra ou se fomos alguém.
(Ontem, 09/04, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: