<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

1.2.08

O dia em que o rei [não] morreu

1908. Those were the days. Perpassava então, na "voz da maledicência"*, a ideia de que o rei D. Carlos vituperava o país, chamando-lhe "piolheira". História apócrifa, certamente. Alfredo Gallis, insuspeitado opositor do monarca, reagia mesmo à anedota com um irónico "mas isso não está definitivamente averiguado"*. Mesmo assim, o zunzum passou indolentemente à história da nação como facto vero e confirmado. E ainda há quem se insurja com tão grosseiro desprezo por Portugal. Isto dito, não me interessa saber se D. Carlos disse ou não que o país era uma piolheira: é que se o tivesse feito, estaria apenas a dizer a verdade.
*Rui Ramos. 2006. D. Carlos. Mem Martins: Círculo de Leitores [5* até à pág. 149, o resto ainda não li]

Etiquetas: