<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

29.1.08

Estéticas da morte #trinta

A hesitação coordenada das mãos. Dias a mais fora da pele. A carta. A mulher do olho garço, julgo que era este o nome pelo qual Laura era conhecida no bairro, encostou o corpo à transparência efémera do vidro e permitiu-se à observação diletante, quase obstinada, dos homens que, no cimo das torres em construção, preparavam a boca e todo o resto do sistema digestivo para o alimento que, bem vistas as coisas, é apenas um saboroso e nutriente paliativo da morte. Para quê, perguntou-se Laura, tudo é pó e ninguém parece aperceber-se disso: mais vale que olhem mesmo, como se fosse a mim que estivessem a comer, até à náusea da erecção. A carta esvoaçou para longe, parecia mesmo um daqueles pardais de jardins de fim de tarde e mãos velhas de milho - leve, leve, leve. Ocorreu-lhe segurá-la mas no mesmo instante adivinhou um sopro repentino, brando como o amansado zéfiro; e, nem um milésimo de segundo depois, um estrondo indiferente e seco (um salpico quente de sangue e bocadinhos de osso). Um dos operários quis mesmo saltar-lhe em cima, o olho garço de Laura calculou que o homem falhara o propósito em cerca de 45cm. A carta e os seus segredos (mas não o sobrescrito) perderam-se definitivamente na agitação carpida de gritos e sirenes.

Etiquetas: