<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

9.6.04

Slow food de forma rápida 5

Foi durante o jantar de ontem, alguns amigos conluiados à mesa, que o Ricardo me trespassou o segredo culinário: uma espécie de frango paki. O proémio é trivial, refogado de azeite, cebola e alho. A que se adiciona frango [cirurgicamente decomposto] criado pela avó, para fritar um pouco. Depois, um raminho de salsa, sal e vinho branco. Permite-se uma boa fervedura. Quando o pito estiver bem aferventado bota-se para o tacho uma farta colher de sopa de caril e côco. O acompanhamento certo: um arroz paquistanês [acho que se diz basmati] e uns comensais de palato burilado. Estes pratos, meio pesadotes, descem bem com uma Mini Sagres. Eu sei que recomendo sempre a mesma cerveja [se calhar é porque gosto mesmo dela] mas se quiserem ter outras opções leiam as dicas do Francisco José Viegas na Grande Reportagem.

Etiquetas: