<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

20.3.04

Humans ´r us

Tinham acabado de lhe dizer que a humanidade era, toda ela, progénie de um hominídeo bípede que se acoitara no Corno de África com ânsia de expansão para o sobejo do mundo. Relutante, por ora ainda atordoado com tão ignóbil recado da ciência, pegou delicadamente no Livro da Verdade e leu com vagar as páginas preambulares, com receio de que tivesse, no seu íntimo pensamento, trocado ou esquecido as palavras que aprendera desde pequeno a bem-querer. Não, não havia fundamento para a sua inquietude, os termos vocabulares que se agrupavam formando frases, das mais belas que já lera, ainda eram os mesmos: “O Senhor Deus formou o homem do pó da terra e insuflou-lhe pelas narinas o sopro da vida, e o homem transformou-se num ser vivo.” Correu para o professor e de um fôlego separou-se das águas racionais que aquele exigia aos alunos que desejavam a aprovação na cadeira: “Vocês evoluíram mas nós, nós fomos criados”. Acabara de oblatar uma nova espécie ao mundo.