<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

13.2.04

6ª Feira 13

A aversão ocidental ao aziago número 13 parece ter a sua origem na noite da Última Ceia, por ser esse o número de santos comensais que partilhavam uma mesa numa obscura taverna de Jerusalém. A saber, Jesus Cristo, Pedro, Judas Iscariote, Judas Tadeu, Tiago, João, entre outros não menos ilustres condiscípulos do Mestre. Os trágicos eventos que se seguiram envolvendo Jesus Cristo e os seus discípulos são amplamente conhecidos, não serão portanto tratados neste post. E porquê 6ª Feira, dia malfadado? Porque foi nesse dia que Cristo foi crucificado. Ok, até aqui parece não haver discussão. O que me chateia realmente prende-se com o não aproveitamento mercantil deste dia. Vejamos o dia de amanhã, de S. Valentim. Foi apropriado pela lógica capitalista para promover o desejo da oblata no seio dos pares enamorados, acto amoroso desnecessário, de resto. Ou a des-sacralização capitalista do Natal, Coca-Cola é que é. Questiono, então, porque não existe a bonita tradição de oferecer, todas as 6ªs 13, uma pata de coelho, uma cabeça de víbora, um livro de S. Cipriano ou um cabelo de múmia aos amig@s, família e namorad@s? Todos ficavam a ganhar. Os admiministradores das big corporations, os pequenos comerciantes e, sobretudo, as pessoas que recebessem tais lucky charms. Quem sabe, a ministra Ferreira Leite até podia aprender uma mezinha no S. Cipriano para eclipsar o défice.