<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

9.2.04

Os Reis do Mundo e o alvor do divino

“Quando a proa da acanhada barca de vela latina embateu no velho pontão de Aigues-Mortes no delta do Ebro, o marulhar recidivo e lento do Mediterrâneo congraçou-se com os grasnidos das gaivotas e o bramido do Mistral numa Hossana nunca ouvida naquele solo meridiano. Do batel desceu um homem de estatura meã mas cujos braços foram suficientemente fortes para carregar o ditoso madeiro da cruz no caminho do Gólgota. E José de Arimateia era o nome desse homem e a sua sagrada carga o Graal, cálice sacrossanto usado na Última Ceia em Jerusalém pelo Nazareno e os doze. E com ele estava um homem, a sua mulher e os filhos, que viriam a fundar a gloriosa dinastia dos Capetos, os Reis do Mundo. Porque a sua força e o seu poder vieram do Graal, Jesus Cristo, o Homem ao lado de José de Arimateia, pai do rei de França, o Rei do Mundo. E eu porque sou francês e Inácio espanhol, acredito e ele não. E por isso morro no sacro lume da Santa Inquisição. Que Deus guarde a minha alma.”

(Fragmentos de uma Carta manuscrita de Guillaume de Postel, datada de 1581, encontrei-a e li-a no francês original em 2002)