<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

14.12.09

Passeio Público

(Espírito da cidade)

A saúde é melhor que a riqueza. É o que se costuma dizer, pelo menos. A doença é quase sempre uma condição perniciosa mas, ainda assim, faz parte da angústia de viver. Cerca-a uma espécie de mitologia da perda mas só quando morremos é que perdemos verdadeiramente. Na morte tudo se consuma e decide mas, entretanto, luta-se. Desrespeita-se a ordenação essencial da doença que, no seu curso obediente e sem qualquer intervenção terapêutica, se manifesta crua e hostil.

Os hospitais (qualquer estabelecimento de saúde) não podem ser senão locais onde impera uma terrível lucidez: perante uma disfunção somática, e a possibilidade da morte, resta-nos a competência de auto-regeneração corporal e a assistência colateral dos médicos, enfermeiros e até das canjas de galinha.

Existe um vínculo directo entre Coimbra e a “saúde institucional” – o conhecimento médico e as instituições de saúde reanimam, há muitos anos, a tranquilidade disciplinada do Mondego. É mais fácil (metaforicamente) quando se está doente e se vive em Coimbra, em simultâneo. Os hospitais públicos são muito bons (Hospitais da Universidade de Coimbra, Centro Hospitalar de Coimbra, Instituto Português de Oncologia), a densidade per capita de médicos é a mais elevada do país (or so it seems), o ensino na área da saúde é de qualidade e a investigação médica não se afasta muito dos padrões médios de um país civilizado.

Para além disso, o melhor centro de saúde do país (de acordo com o ranking da DECO-Proteste) é de Coimbra: o Centro de Saúde de Norton de Matos. O Centro de Saúde de Celas é o quarto melhor do país. A “medicina de proximidade” é reconhecidamente eficaz na cidade. São os utentes dos centros de saúde quem o afirma.

Quando alguma coisa parece ser perfeita é porque realmente não o é – mas a perfeição, obviamente, não importa assim tanto. A relevância de todos os indicadores encontra-se no facto de que a “saúde”, em Coimbra, não é um acontecimento epocal mas uma característica estrutural do espírito da cidade.

Etiquetas: ,