<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

26.6.09

Michael Jackson (1958-2009)

Fiquem a saber que vivi muitos anos numa vivenda; uma casa grande, mas não excessivamente, com jardim e quintal, um à frente e outro atrás, aprazivelmente localizada. Fica tão perto da igreja como do cemitério, e um pouco longe do café da Otília - o que constitui, porventura, o seu maior defeito. Numa noite fria de Novembro do mais imemorial dos anos (foi, com toda a certeza, em 1983), rodeado de enigmáticos tomos empoeirados e de um aparelho de televisão Philips (a cores, sem comando à distância: a minha irmã ainda não andava), na véspera de uma excursão da catequese ao Aquário Vasco da Gama, vi com alguma relutância o videoclip dos mortos-vivos de Michael Jackson, morto-vivo que ainda ontem morreu. Coincidência altissonante: tocaram os sinos na torre da Igreja (e não passou a procissão) mesmo no final do vídeo, e nem sequer era hora disso acontecer. A minha mãe, na cozinha, fazia os bolos de bacalhau; o meu pai dormia; a minha irmã também; e eu cagava-me com medo. Este «cagava-me» é metafórico, julgo eu. Não dormi nada nessa noite e acabei por não ir, em alegre romaria, ao Aquário de Algés, o que me deixou um bocado aborrecido (meu Deus, aquela lula gigante...) e eternamente desagradado com o senhor Jackson. E é isto que tenho a dizer do rei da pop.

Etiquetas: ,