<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

17.4.09

Passeio Público

(Turismo e memória)

A cidade de Coimbra, através da sua empresa municipal de Turismo, arremeteu sobre Espanha, lançando uma nova campanha de promoção turística num mercado prioritário e preferencial. O objectivo é simples e diáfano, pretendendo-se o alargamento dos canais de colaboração com agentes turísticos espanhóis e a sedução de um maior número de turistas.

A aposta reiterada dos mediadores de turismo da região Centro sobre o mercado espanhol parece inquestionável e positiva. A megalomania deu o lugar à sensatez. Devemos assimilar de uma vez por todas a indispensabilidade de forçar limites e, talvez, pensar em agir numa área suficientemente pequena para que todos os resultados sejam convincentes.

O mercado espanhol é o que melhor se adequa às especificidades e necessidades do turismo no Centro por duas prosaicas razões: a distância geográfica entre as duas regiões é reduzida (e, de qualquer forma, mitigada pelas boas vias de comunicação) e as manifestações culturais da região Centro (e especificamente de Coimbra) compõem um reticulado fascinante de história, tradição, nostalgia e modernidade que, visivelmente, são do agrado do turista espanhol típico.

Depois de um longo ciclo pascal que atravessou a cidade e os seus arredores com o fausto cultural que lhe é característico torna-se perspícuo que a nostalgia da tradição é um universo de potencialidades infinitas nas quais se incluem, obviamente, as possibilidades económicas e turísticas. Coimbra perdura nas pedras da Universidade mas também na visita pascal (o famigerado “Compasso”), numa actuação do Orfeon Académico ou nos recantos inexplorados do Centro de Estudos de Santo António.

A exploração da nostalgia é legítima, e até benéfica, conquanto não sirva para exaurir o sentido profundo que perpassa muitas das exteriorizações culturais da cidade. O interesse dos agentes turísticos deve manter-se na memória e não na revivescência plastificada do passado.
(Ontem, 16/04, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: