<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

11.12.08

Passeio Público

(Leve-leve)

Não sei exactamente quantas são as cidades que levam o nome de Coimbra; suponho que seja um assunto pouco interessante, escassamente estudado e de relevância dúbia, mas é óbvio que posso estar enganado (não seria a primeira vez) e, nesse caso, apresento desde já as minhas mais sinceras desculpas. Que eu saiba, para além da Coimbra original e primeira, subjugando de perto o Mondego, existe ainda uma cidade brasileira homónima em Minas Gerais, e um Forte Coimbra, no Mato Grosso do Sul, também no Brasil.

É claro que um nome não é mais que a memória de uma existência. Um nome é, como escreveu Pirandello, um "epitáfio fúnebre" e todo (ou quase todo) o epitáfio se escreve num tom memorialístico e, portanto, impressionado com o passado e não com o futuro. Um dia as pessoas hão-de entender que são elas que fazem as cidades, que lhes inspiram a silhueta e lhes vincam as formas; e que os nomes das cidades (e as suas pedras, monumentos e ruas) são apenas o palco de uma dramaturgia que persiste para além deles.

Cada pessoa é uma cidade. Ou melhor, em cada pessoa há uma cidade. Possivelmente, uma cidade íntima e privada – mas definível e redutível a um espaço conhecido e localizável. É, por isso, possível recapitular Coimbra em sítios tão inusitados e remotos como São Tomé e Príncipe.

As ilhas são pequenas e os encontros fáceis. Sem qualquer combinação prévia, por uma casualidade que é difícil explicar sem recorrer à crendice mais rasteira, encontrei-me recentemente em São Tomé com um número expressivo de conimbricenses, não menos que metade dos cerca de 50 hóspedes de um conhecido hotel da ilha. O estudante de Engenharia Civil e a médica ortopedista, a inspectora da Segurança Social ou reformado da Administração Pública: uma recriação do microcosmos da cidade em latitudes equatoriais.

Quase todos, por diferentes fundamentos e motivos, se afastaram fisicamente de Coimbra. O ritmo junto ao Mondego é vagaroso, “leve-leve”, como naquelas ilhas que adoptaram o “Equador” de Miguel Sousa Tavares como livro nacional, e as pessoas têm que partir e fazer pela vida noutros lugares. Não obstante, a cidade renova incessantemente a sua sombra – e é difícil escapar-lhe. Sobretudo a 5000kms de distância.
(Ontem, 10/12, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: ,