<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

26.11.08

Elogio a Amadeu Baptista

É possível, e até desejável, esquecer o homem. A humanidade é uma ideia frágil, frustrada entre as enguias dos nossos dedos. Saio de casa de manhã cedo - eis o destino dos mais fortes! -, escuto a poesia comovida dos passos amanhecidos em cansaços eternos, recomeço o dia seguinte.
O dia alonga-se para além das árvores, encontra-se nesse grande vegetal vivo lenhoso. É uma espécie rara de palavra inabitável. Os homens tocam-se aconchegam-se nas sombras e esquecem.

Não te esqueci. Foste-me oferecido a dois tempos, um ruído crestomático vagamente sitiado diluído num velho motor de motorizada. Como um dízimo pago na derradeira luz, também tu foste peremptório. É mais fácil esquecer as palavras que a infinita pequenez de uma alma.

Etiquetas: , ,