<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

26.6.08

Passeio Público

(De volta)

Finalmente, a cidade respira. Olha em frente. Arregimenta-se (é o que espero e desejo) em torno de um desígnio maior e avassalador. O projecto de candidatura da Universidade de Coimbra (UC) a Património Mundial da Unesco conheceu recentemente um impulso, categórico e resoluto, do Governo português. O primeiro-ministro José Sócrates, para além de avultar o contributo de um desígnio deste género para o sucesso económico da cidade, da região e do país, caucionou uma verba de 20 milhões de euros (a incluir no PIDDAC) que será empregue em três intervenções estruturantes na Alta de Coimbra e que constituem um indispensável sustentáculo da candidatura.

Desse modo, a edificação da nova biblioteca da Faculdade de Direito (na Casa dos Melos), o restauro do Colégio da Trindade (para nele assentar o Tribunal Universitário Judicial Europeu) e a construção do Centro de Interpretação e Divulgação da UC (no Largo dos Colégios) constituem uma porção fulcral da pretensão da Universidade, credibilizando-a e revelando toda a determinação e empenho das entidades que pleiteiam para que esta instância seja aceite pela UNESCO.

As palavras de Seabra Santos, o reitor da UC, confortaram-me, alijaram o desânimo que quase sempre me toma quando ouço falar nos “projectos” para Coimbra. É justo. O discurso exterioriza um anelo de renovação. Não só dos espaços físicos e do património intangível da cidade (as tradições académicas, a canção de Coimbra, etc.), mas também (sobretudo) da postura e da mentalidade dos habitantes da cidade. Para isso, Coimbra tem que se afastar definitivamente da sombra castradora da “velha” Universidade. Tem que reconhecer o valor do passado (obviamente) e, a partir dele, construir um novo caminho de inovação científica.

Ao contrário do que se possa pensar, a candidatura da Universidade de Coimbra a Património Mundial da UNESCO não pretende transformar a Alta da cidade num museu. Eu gosto de museus, esses depósitos de reminiscências e consagrações póstumas. Porém, os museus guardam e exibem, na sua maioria, objectos inanimados ou coisas mortas. Não se pode cristalizar uma cidade, aprisioná-la num casulo onde o destino é uma imortalidade paralisada, suspensa.

A classificação da UC como Património Mundial é uma esperança, uma presunção de futuro, apenas se trouxer de volta a cidade, uma história nova. Algo que complete uma fantasia de futuro.

(Ontem, 25/06, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: