<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

18.4.07

Estéticas da morte #vinte e um

Entrou na sala de aula alquebrado pelo frio metálico da Uzi [FN herstal, fabrico israelita] e da G3 [Heckler & Koch, fabrico alemão] e de algumas granadas defensivas. O seu olhar era o de um louco, quem o visse naquele momento ia entender o que digo. Um ódio indefinido – e, contudo, premente – comia-lhe os dedos das mãos, quase que juro que eram as mesmas mãos dispostas a matar pela bala e estilhaço todos os colegas, professores, funcionários [auxiliares de acção educativa], e mais quem viesse [se calhar, alguns polícias]. Entrou na sala de aula, já o disse, mas acabou por não matar ninguém [só a professora Graça que teve logo ali um ataque cardíaco: corações fracos, é o que é]. No quadro negro apaziguou-o uma equação de Euler, escrita num floreado novecentista pela Carlinha, colega de turma e ex-namorada, que o trocara há duas semanas pelo Zé Carlos do 12ºB.

Etiquetas: