<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

17.4.07

Anatomy of a certain type of violence

Só me recordo da palavra complexidade. Recuso a simplicidade dos argumentos. É certo que a reflexão apenas vai justificar a impotência perante o desconhecimento da resolução de um problema desta natureza. Não sei a resposta, ninguém sabe - julgo. Tenho a certeza. Armas à vontade do freguês, muita gente doida [e um bocado burra] concentrada num grande país, depressões da adolescência, alguns maníacos de deus, servidores da pátria desencantados com a mesma, televisão agressiva, caçadores desportivos com vontade de mudar de presa: algumas causas e actores possíveis de tanta desgraça. Começou em 1925, parece-me, quando um maluco qualquer [na verdade, chamava-se Andrew Kehoe] colocou uma bomba numa escola do Michigan e matou os seus 18 alunos. Ontem, outro gajo com a vesânia bateu o recorde de mortandade, no campus da Virginia Tech. O assustador é perceber que a nequícia tresloucada não vai acabar. Que se pode fazer a anatomia deste tipo de violência e mesmo assim não se vai achar a sua cura.

Etiquetas: