<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

26.3.07

Grandes Portugueses: a vitória bolorenta

Eu já sabia que ia acontecer mas nunca quis acreditar. Salazar ganhou o concurso Grandes Portugueses - e venceu de goleada. Naqueles 40 e tal por cento de votos alocados no rural ditador [a referência a votos e ao ditador Oliveira Salazar na mesma frase é, só por si, um acto de criatividade ficcional] cabem, com toda a certeza, muitas sensibilidades políticas, ideológicas e morais. Para começar, é crível que muitos dos votos no Tonito de Santa Cona Dão procedam dos desesperançados do regime democrático, daqueles que, apesar das liberdades todas e dos dinheiros de Bruxelas, não vêem a vida a andar para a frente. Outra fracção de votos em Salazar deriva do medo ancestral ao comunismo, personificado em Álvaro Cunhal [diga-se que, depois de algumas intervenções de Odete Santos, as minhas dúvidas em relação ao pendor totalitário e estalinista do PCP dissiparam-se completamente]. Mas é certo que uma boa parte dos votos no professor Salazar proveio de uma camada lamacenta que sobrevive nas remansosas águas da sociedade portuguesa - a maior preocupação da incipiente democracia de Abril [por se cumprir?] advirá daqui. Eles andam aí, ninguém duvide disso: proto-fascistas, cripto-fascistas, neo-fascistas, nacionalistas, identitários. E, como se viu, possuem um elevado poder de congregação em torno de uma causa. A vitória de Salazar não é um pormenor de somenos: revela claramente um distanciamento do povo [esse grande desconhecido] em relação ao sistema democrático e, sobretudo, aos agentes do sistema democrático. Enquanto a honestidade for o valor mais alto para o povo, sempre os políticos desta democracia perderão para Salazar-mito. E digo isto com todo o pesar do mundo.

Etiquetas: , , ,