<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

13.12.04

O dono da bola

Durante os anos da minha infância, encravada nos anos 80 duma aldeia do concelho de Coimbra, a recreação maior das crianças portuguesas do sexo masculino não diferia muito do passatempo dos gaiatos das gerações anteriores ou posteriores. Um rectângulo de terra batida, duas pedras de cada lado – à laia de baliza – e uma bola constituíam o mínimo denominador comum dos futebóis – quem, da minha criação, se não lembra dos épicos jogos da “segunda” contra a “quarta”? – que, um pouco por todo o país, aqueciam os parcos intervalos escolares no Inverno do ano. Lembro-me que havia sempre um miúdo, que talvez até nem tivesse muito jeito para o jogo, que era o dono da bola. Quando o catraio se chateava, ia embora e levava a chincha com ele: quem não revisitou, pelo menos uma vez, esse evento mítico no pátio da sua escola?
Santana Lopes é um garoto. Desculpem-me os garotos, se os ofendo. Miúdo birrento, chateou-se quando o presidente, farto da sua incapacidade para o jogo da governação, o mandou para casa mais cedo. Demitindo-se, quis levar a bola para casa, esquecendo-se, porventura, que a bola já não era dele. Que nunca foi dele.