<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

12.9.04

Rui Veloso

Ontem fui a Montemor-o-Velho ver e ouvir, com palco instalado nas faldas do vetusto castelo, o cantor tripeiro, levado pelo pedido insistente da menina Marta, fã decidida do autor de "Chico Fininho". Eu, não tão decidido fã, posso garantir que saí do concerto convencido que o Rui, se não fosse cantor, tinha lugar garantido no Levanta-te e Ri da SIC.

O meu espanto não radica, no entanto, da faceta cómico-humorística do cantautor, mas sim da reacção de um certo público [aka casais de namorados] aos acordes e versos de "Anel de Rubi". A cançoneta não é, de todo, má - embora a rima de Rubi com Rivoli seja intragável - e o seu final anti-romântico é interessante do ponto de vista poético. Não obstante, algumas centenas de pessoas não percebem essa cerúlea melancolia e desesperança da canção. É uma canção de amor, pensam. E, por isso, abraçam-se e beijam-se como se fosse a última vez. Nem percebem que, na canção, o amor fica de rastos.

Etiquetas: