<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

7.7.04

Rocìo

Apesar do nevoeiro e da impenetrável escuridão, eu sabia que alguém me seguia pelas ruas estreitas – e, àquela hora nocturna, desertas de seres viventes – de Córdova: as botas do perseguidor eram demasiado animosas para uma caçada silenciosa. Pressentido o perigo, a inteligência aguça, lembrei-me de ouvir dizer a minha avó nos serões invernais na costa da Cornualha. Invadi um providencial prostíbulo que encerrava a Calle de los Rubios e refugiei-me no corpo de uma andaluza de olhos tristes e seio farto, asseverado de uma restante noite cálida de prazeres e longínqua de perigos.

Acordei sobressaltado. O bom caçador nunca larga a presa, palavras sapientes do meu avô durante as caçadas a cavalo nos vales de Dorset. Rocìo, a puta, olhava fixamente o meu desespero, com aqueles olhos tristes da cor da terra, e glosou: “Falaste durante o sono, inglês. Não percebi uma única palavra mas sei que tinha a ver com caçadas (ou guerras), o som dos tiros é igual em todas as línguas”. “Escondi-me em ti porque me perseguiam, talvez para me matarem” – repliquei. A espanhola riu, como uma louca, e disse-me: “É uma boa razão para procurares uma mulher. Quando a morte é próxima os homens lembram-se sempre da mãe. E, nesse momento, todas as mulheres são mães, todas as mulheres são a salvação.”