<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

27.12.08

Passeio Público

(Dia de orçamento)

Amanhã é dia de Natal – e eu não devia esboçar um único pensamento sobre o orçamento da Câmara Municipal de Coimbra (CMC), mas existe um dever para o homem cumprir e hoje a minha incumbência é essa: discutir criticamente o orçamento para 2009 da CMC.

Um orçamento, seja ele qual for, é sempre um “futuro” inscrito no papel. E esse “futuro” pode não ser o melhor possível. Aprovado pela maioria (PSD/CDS-PP/PPM) e olhado com desdém pelas oposições (PS/PCP/Pina Prata), o orçamento para o exercício de 2009 da CMC é, numa palavra, “despretensioso”. Desenganem-se os adeptos da pequenez e da singeleza: isto não é um elogio ao executivo que apresentou este orçamento.

O orçamento é “despretensioso” porque revela pouca audácia e, sobretudo, porque nele não se vislumbra qualquer medida estruturante que lide com a crise, no emprego ou na habitação, que afecta desde há muito a cidade de Coimbra.

Embora a dotação orçamental de áreas como a habitação (nomeadamente: a recuperação do centro histórico e a habitação social) seja relevante, não podemos deixar de assinalar a carência de obras significativas, de inequívoco valor estrutural, no tecido urbano da cidade. Parafraseando o vereador comunista, Gouveia Monteiro: há obras marcantes, mas são muito poucas. O Metro Ligeiro de Superfície é uma dessas obras – importante mas com a existência protelada; e um exemplo típico das baixas taxas de execução das obras previstas em orçamentos anteriores.

A resistência ao desemprego parece subsumir-se às ajudas ao iParque. O projecto do parque tecnológico afigura-se imprescindível para a reconfiguração económica de Coimbra e da região. Não obstante, o problema estrutural do desemprego não poderá ser resolvido com base em medidas circunscritas a um único pólo de desenvolvimento.

Amanhã é dia de Natal – mas isso, para o caso, é um pormenor desinteressante. O ano deixa-se ir, transpõe as páginas do calendário e, lentamente, é esquecido. O ano de dois mil e oito, quase morto e enterrado. Que Deus o guarde! O que virá depois?
(Quarta-feira, 24/12, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: ,