<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

28.10.08

Pelo alcatrão (e alguma terra) fora

(Adorigo, Douro - dias 3 e 4)
Eis a última fronteira, o momento esperado do esquecimento. A lonjura breve dos socalcos arruma a um canto o sentido mais secular da vida. Por um momento, nem que seja por um momento, entre um abraço assustadiço e as curvas efémeras da água, o mistério escolástico adensa-se insuportavelmente; na proximidade da queda os ritos moralistas da velha religião voltam a fazer sentido – o que fazer, senão rezar, quando o abismo é quase uma certeza a despedaçar o espírito?

Este é o rio. O Douro é muita coisa (e ainda mais do que isso), não se reduz às minhas vontades (boas ou más, não interessa) ou à finitude circunstancial de uma página. O Douro é mais belo antes de se cumprir entre cidades, antes de abraçar o casario cediço da Ribeira. As faldas que o dirigem ao inglório termo, enfeitadas de verde macilento e vermelho-cardeal, como velhas cachopas de bailes saltaricos, é que lhe emprestam a sumptuosidade majestática e o meneio sensual de uma cortesã decadente. O resto é paisagem, se quisermos, e não mais do que isso.

O reino maravilhoso deixou de existir? O reino talvez sim, mas não a maravilha: veja-se aquela Quinta de Santo António, alcantilada e distinta, bem fornecida de tintos encorpados (extremamente potáveis), com ritmo final de frutos vermelhos e baunilha, a fazer lembrar, por mera associação literária, a ambrósia gabada nas epopeias de Homero.

Levei comigo os livros – mas não os livros certos. Lev Tolstoi, por muito que se diga o contrário, não rima com vinho fino. Robert Walser muito menos. As montanhas do Cáucaso, que eu saiba, não produzem touriga e Khadji-Murat não era tão valente como o Alma Grande. Era preciso trespassar um Torga, da capa ao posfácio, pelo menos; esmaecer a atenção nas coisas telúricas, autóctones. Relembrei, inevitavelmente, o Jacinto na sua casa de Tormes (este nome persegue-nos), o abade de Britiande e a Brízida violada.

A vida, felizmente, é maior que os livros - e uma janela sobre o Douro é maior, ainda, que a vida.
(um) (dois)

Etiquetas: