<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

17.7.08

Passeio Público

(A procissão da Rainha Santa)

As peregrinações são assuntos de caminhos e estradas, de aurora e lusco-fusco, cheiro a raposinho e banhos circunstanciais. São argumentos que se desenvolvem sobretudo entre a partida e a chegada. É a viagem e as suas façanhas que aliciam o peregrino, que o motivam para além do destino final da jornada.

As procissões são mais curtas. O destino é o mesmo. A promessa paga, o favor retribuído. O pacto místico de uma mulher, de um homem e de um deus (ou de um seu intermediário) que existe por eles. Os segredos inconfessados, o mistério da súplica.

Nas duas procissões da Rainha Santa, que se cumpriram na Quinta-feira e Domingo passados, milhares de pessoas (cerca de 150.000, de acordo com a Polícia) negociaram a sua fé (e os seus anseios, os seus medos, as suas exultações, as suas vitórias) com Isabel, santa e rainha. Milhares de indivíduos mesmerizados em volta de um andor de rosas e cravos brancos, conduzido com vagar e rigor por dez homens da confraria da Rainha Santa, e das graças concedidas por intermédio da virtuosa Isabel que o encima.

A procissão é um palco do real: do sal vergado do choro, dos joelhos nus sobre o chão cansado, das pétalas de flores voluteando sobre a Ponte de Santa Clara, das bocas que falam e que, como Jeremias, revelam cinco lamentos. Ao longe, as silhuetas sustentam o insucesso de cada existência incompleta e incumprida. É perceptível uma resignação consciente face ao mundo, face à “ordem natural”, pré-consumada, que amarra e submete cada biografia às disposições formulaicas dos deuses. Apesar disso, um rosto de superioridade não forçada, de orgulho ingénito, encima inexplicavelmente as figuras de prece.

O sacrifício é a marca da fé. Ouço alguém (talvez uma senhora idosa) dizer que só o sofrimento diferencia aqueles que merecem estar na procissão. A dor é a única redenção possível. Eu acho que não. O riso das crianças vestidas de anjo desmistifica o discurso moral da penitência e da sisudez.

A noite contígua, a fluidez esmaecida da luz junto ao Convento de Santa Clara, falsifica a autoridade mística do momento em que a imagem de Isabel, a Rainha Santa, regressa enfim ao absidíolo da igreja. A festa termina mas o sofrimento (e o riso das crianças) continua.
(Ontem, 15/07, no Jornal de Notícias)

Etiquetas: