<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

14.2.08

Passeio público

Ontem, 13/02, no Jornal de Notícias
A cultura em Coimbra não há-de baquear como um rei vencido num tabuleiro de xadrez; não há-de cair ou declinar perante o reiterado filistinismo programático da Câmara Municipal de Coimbra (CMC). E mesmo que caísse (agouro inadmissível), já teria arrojado um mobilizador grito de sedição e revolta. Os conimbricenses, e não só, arregimentaram-se em redor de um texto (“Pelo Direito à Cultura e pelo Dever da Cultura!”) que denuncia a inépcia das políticas culturais para a cidade promovidas pela CMC, pelo seu Presidente e, sobretudo, pelo seu Vereador da cultura. O manifesto desafia os cidadãos e a cidadania possível: mais de mil pessoas já o subscreveram (e leram). Entreteceram o seu nome ao desassossego e aos anseios expressos numa declaração que é já o avatar de uma outra, publicada em 2005.

Entretanto, a cultura resiste como pode, praticamente sem ajudas financeiras da autarquia. Emulando o Teatro Pobre, inspirado pelo polaco Jerzy Grotowsky, despojado de figurinos e cenário, de luz e de música (e até de texto), o refúgio da cultura é a “pobreza”; o estado de penúria material (mas não espiritual) que, se por um lado, coarcta a capacidade logística dos vectores culturais, por outro lado, força e instiga a criatividade e mitiga a “servidão” perante o poder que “paga” a lealdade e a complacência dos artistas e dos agentes culturais através do mecenato institucional.

Partir sem reunir alimento para a jornada é ingenuidade de andarilhos amadores. Quanto aos profissionais, a história é outra. Sem alternativa, cedem perante o despotismo do metal vil: para sobreviver carecem de dinheiro e este tem que vir de algum lado. Os mais expeditos safam-se, entre subsídios e esmolas de circunstância. Ou arranjam mecenas em troco da peregrinação e das promessas implícitas. Os mecenas sempre tiveram um papel crucial no fomento da Cultura e das artes. Leonardo, que não era nenhum burro, sabia-o. Tiepolo e Cranach também. E outros que seria fastidioso enumerar.

Em Portugal, a tradição de mecenato privado (aristocrático ou burguês) não existiu nunca. O patrocínio da cultura é feito, quase em exclusivo, pelo Estado e pelas autarquias. Em Coimbra deveria cumprir-se a norma: a cultura orçamentada pela Câmara com uma estratégia cultural pragmática e bem delineada; acautelando o bem-estar dos agentes culturais da cidade e evitando, porque não?, a dependência extrema de subsídios. A regra é, porém, o esquecimento iterado. Opondo-se à decadência cultural da cidade, poucos. Lembremos, por exemplo, o esforço invulgar que vem sendo posto na programação cultural da FNAC ou no mensário de actualidade literária “Os livros ardem mal”, co-organizado pelo TAGV e pelo Centro de Literatura Portuguesa da UC.

Perante a indiferença, o desinvestimento e, sobretudo, a vacuidade babélica das políticas culturais da CMC, remanesce o desalento das mãos estendidas. A cultura, em Coimbra, sobreviverá definhando na melancolia do abandono institucional. Mas os conimbricenses reconhecem os culpados, a vaga de repúdio é implacável.
* Por lapso, a crónica saiu no jornal com o título "Crítico literário".

Etiquetas: