<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

19.7.07

Passeio Público

Ontem, no Jornal de Notícias

[O resgate do feminino]

No decorrer da Guerra de Tróia, Aquiles foi recompensado com Briseida, de "lindo rosto", por Agamémnon, comandante dos Aqueus. Mais tarde, Briseida foi tomada de volta por Agamémnon, evento que despertou a ira de Aquiles ainda na fase crepuscular da Ilíada de Homero. Um vaso grego mostra Agamémnon a prender Briseida pelo pulso, perpetuando um gesto conotado simbolicamente com a dominação masculina sobre a mulher. A história de Briseida será hoje apenas um eco esquecido do passado? Infelizmente não.
Sendo um primata inovador, o Homo sapiens engendrou uma pletora de maneiras de fiscalizar e policiar as mulheres, que incluem, entre outras, o enclausuramento, a doutrinação, a vigilância, o boato, as regras que regulam as heranças e o controlo dos recursos por famílias patrilineares. Os modos seculares de opressão do feminino medram em diversas regiões do mundo. Em Portugal, embora a igualdade de género se plasme na lei, algumas práticas discriminatórias vão resistindo, sustentadas de forma coriácea por quem mais aproveita com a manutenção do status quo: os homens.
Em 2006, a Associação de Apoio à Vítima assinalou um total de 22 casos de homicídio ou tentativa de homicídio contra mulheres. Os casos de violência contra as mulheres são inumeráveis e muitos são simplesmente grotescos e inenarráveis. Os dados do Eurostat de Abril de 2007 reafirmam a constância da maior taxa de desemprego das mulheres relativamente aos homens. Em casa são elas, ainda, as solitárias gatas-borralheiras: dedicam três vezes mais tempo às tarefas domésticas que os homens. A balança da igualdade dos géneros não está, em definitivo, equilibrada.
Louva-se a abertura em Coimbra, precisamente no Ano Europeu da Igualdade para Todos, do mestrado em Estudos Feministas, dirigido por Maria Irene Ramalho e Adriana Bebiano, professoras na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC) e investigadoras no Centro de Estudos Sociais. Precisamente 51 anos depois de Maria Helena da Rocha Pereira, também na FLUC, se tornar na primeira mulher doutorada numa universidade portuguesa, este é o primeiro mestrado em Portugal que, inflectindo uma omissão tradicional sobre contribuição cultural e política das mulheres, adopta a designação de Estudos Feministas.
Este mestrado parece-me, antes de tudo, um símbolo e uma promessa de transformação política e social. O seu propósito é claro: estabelecer definitivamente um compromisso académico com a luta pela plena cidadania das mulheres. Eis, portanto, uma forma capaz de pensar e desconstruir a marginalização histórica do universo feminino, de tornar perceptível uma invisibilidade forçada de séculos.
Maria Filomena Mónica escreveu um dia que as mulheres portuguesas são parvas. Permitam-me discordar os homens, aqueles que se confortaram e confortam num regime de opressão silenciosa do feminino, não só são os verdadeiros parvos da história, como não sabem o que perdem. Porque não valorizam as mulheres, porque não sabem dar o colo aos filhos, porque não gostam de limpar o pó, porque não trocam receitas. Nós, homens, somos mesmo parvos.

Etiquetas: