<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

29.7.04

De filhos e filhas

 O fim de tarde derramava-se já no outeiro pejado de casario quando se ouviu o choro primeiro de um varão incipiente e rosado, pesando pouco mais de três quilos – calculados depois de tomar a refeição primordial no úbere fecundo da desgastada mãe. Na rua, as vizinhas que não estiveram no quartinho ajudando a desgraçada mulher a deitar ao mundo mais um pobre de Cristo, procuravam ainda o pai, o Fernando, para o felicitarem por mais uma das suas avarias paternais. Quem o encontrou primeiro, um negrume de óleo cobrindo-lhe o tronco desnudo, foi a Gracinha do Lopes: “Já lhe ouvi o choro, homem. Deve ser cá um valente.” Ele, ensimesmado, apontando para o motor da Famel: “Então, não? Abri-o, limpei-o de alto a baixo que só faltou lambê-lo e meti-lhe uma vela e um condensador novos. Está a roncar que parece o porco da Ti Alice quando lhe chegam fêmea”. Pegou na motorizada, a única filha que lhe interessava, e cavalgou-a para longe.