<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

13.4.04

A guerra também aqui

Na Rocinha, topos favelado do Rio de Janeiro, a guerra não extravasa somente das imagens assépticas da televisão. As balas permutadas entre os traficantes de droga e o quase sempre ausente poder público, a polícia, não escolhem destinatários e, entre os dez mortos até ao momento, muitos são inocentes habitantes do morro, imaculados enfiteutas que fogem dos criminosos e da polícia, entregues a si mesmos e a Deus, conforme a ideologia ou filiação religiosa.
O derradeiro passo para a transformação da metáfora da “Cidade Partida” de Zuenir Ventura em realidade foi anunciado pelo vice-governador e secretário estadual de Meio Ambiente, Luiz Paulo Conde [entretanto arrependido]: o cerco do morro da Rocinha e adstritos por um muro de três metros de altura. A objectificação do apartheid que existe de forma consistente na sociedade brasileira deixaria, pois, de ser anátema no ideário dos governantes brasileiros e passaria a constar abertamente da sua agenda política. Naturalmente. Sem hipocrisias. A falência do estado brasileiro, a sua incapacidade de estancar a pobreza, a violência e as assimetrias sociais carregam, de facto, um halo de desesperança: o D. Sebastião deles, que um dia foi operário, não passa talvez de um mito para embalar crianças.