<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

9.1.04

Apólogo irrealmente fictício e desde o início talvez romanesco

O que o abalou foi isso, o esquecimento. O opróbrio do oblívio. Só que não foi isso e ele não sabe. Se ele soubesse que naquele dia ela não tinha saldo no telemóvel, que não havia nenhuma estação dos correios por perto, que o Golf estava na revisão, que todos os deuses murmuravam contra a possibilidade de um encontro. Não. Ele não sabe e por isso finge que não a ama mais, fabula a sua própria morte aos olhos dela. A inquietude frenética na vermelhidão dos seus olhos, o passo arrastado no chão imaculado do café, a beata esmaecida nos lábios roxos, tudo o denuncia. Tudo conspira contra si e contra o olvido de si próprio. Enquanto ele chorar não vai esquecer.