<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

25.9.03

O nascimento do homem ou um umbiguismo disfarçado

Finalmente cedo à tentação.
Depois dos fósseis de hominídeos [Homo sapiens] coligidos numa gruta romena [Pestera cu Oase ou "Caverna com Ossos"] e dados a conhecer ao mundo na última edição [Set. 22] dos Proceedings of the National Academy of Science, decidi expor e polemizar a grande questão que, desde os primórdios da Paleoantropologia e até hoje, arrebata os ânimos de cientistas adstritos à área do saber conhecida como Evolução Humana: o advento do homem anatomicamente moderno.
Numa ciência [Paleoantropologia] que nunca conheceu períodos paradigmáticos no sentido de Thomas Kuhn, os fósseis romenos recolhidos por uma equipa coordenada por Erik Trinkaus e os fósseis descobertos pela equipa de Tim White na Etiópia [Homo sapiens idaltu, 160.000 anos!] dimanam como os novos factos cuja apropriação pelo milieux científico e pela cultura popular roça, denodadas vezes, a ficção.
As hostes contendoras vão apresentando as suas armas. Mais tarde começa a história.
[To be continued]