<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

24.9.08

O que é para nós um crime

É isto e pouco mais. A tremura do indizível. Um rapaz decide matar quem tem o infortúnio de lhe passar à frente. Gostava de ler ou ouvir que o mesmo rapaz decidira beijar quem tivesse a má sorte de lhe passar à frente. Não é nunca assim. É mais fácil matar um desconhecido que beijá-lo.
Não há segurança senão nos teus braços, na preguiça vermelha do teu sofá. A morte é algo de que se ouve falar com a desatenção própria de um escroque. É um estado ainda distante e desconhecido. Comecei a existir quando te abracei de longe, entre as luzes e os gritos de um centenar de pessoas (parece que foi ontem, parece que foi no tempo em que os animais falavam).
Um dia hei-de entrar numa escola (numa repartição de finanças, num asilo para velhos, hei-de entrar num sítio qualquer deste nosso Portugal), hei-de beijar dez desconhecidos e rematar o crime com um beijo na minha própria cabeça.

Etiquetas: