<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

24.4.08

Passeio Público

(Um voo derradeiro)

A secura melancólica do céu das cidades é, não poucas vezes, insultada pelo ruflar anárquico de asas, sombras excessivas dilacerando as alturas. Ponderem o cenário, tão trivial. É fácil imaginá-lo. Algumas aves são resilientes, adaptáveis, e conquistam naturalmente os centros (ruidosos, alterados e poluídos) das grandes cidades.

Em Coimbra, os pombos, essas alimárias penugentas de praças de fim de tarde e mãos velhas de milho, reinam sobre o arco celeste da Baixa. Conheço algumas pessoas que não se sentam nas esplanadas porque têm medo dessas aves tão prolixas. Há quem lhes chame «ratos de asas», tal a repulsa que excitam. As colónias de pombos que ocupam a zona urbana da cidade usurpam as mesas dos restaurantes e cafés, arruínam o património edificado e acertam nos incautos passeantes com a imundície fisiológica.

As tropelias de tão caótica hoste são excessivas e indigestas, qualquer um reconhece isso. Os comerciantes e os biólogos, os turistas e os responsáveis pelo Centro Histórico estão de acordo numa coisa simples: os pombos são uma praga citadina, um incontestável flagelo urbano. É por isso que a benevolência com que esses seres aéreos eram encarados se esgotou. Nada permanecerá como dantes. A solução defendida pelo director do Gabinete para o Centro Histórico, Sidónio Simões, corteja a possibilidade de «remodelar» as aves, designadamente o seu comportamento reprodutivo, transformando-as em atracção turística. A estratégia ideada contempla a permissão de alimentar os pombos com uma espécie de alimento contraceptivo que dificulta a procriação.

A partir daqui torna-se difícil não pensar numa certa violência antropocêntrica que sempre é exercida sobre o horizonte biológico. É, pois, irrecusável a noção do homem representado como pastor da «animalitas», exercendo uma vigilância eleita no seu próprio interesse, na sua própria conveniência. A «solução» que visa os pombos de Coimbra pode ser metodologicamente eufemística quando comparada com a proposta de esterilização dos cães de raças consideradas perigosas; todavia, o princípio moral é o mesmo e implica a radicalidade de uma conversão forçada a um ciclo anti-natural.

O equilíbrio é delicado. A necessidade de controlar os danos provocados pelo descontrolo demográfico da população de pombos no centro da cidade redime, de certa forma, a dura ingerência humana sobre o ciclo reprodutivo das aves. Os grandes males requerem drásticos remédios. A cidade transformar-se-á num enorme parque zoológico, num lugar de domesticação, selecção e controlo.

Quando, a 12 de Fevereiro de 2009, se comemorarem os 200 anos do nascimento de Charles Darwin talvez os atropelos causados pelos pombos da Baixa sobrevivam apenas em velhas páginas de jornal. O célebre naturalista inglês, columbófilo entusiasta, preferiria certamente que os bandos de pombos continuassem a turvar o azul do firmamento, junto a Santa Cruz. Eu também. É difícil ser o pastor do mundo.

Ontem, 23/04, no Jornal de Notícias

Etiquetas: