<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d5676375\x26blogName\x3dD%C3%A6dalus\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_PT\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://daedalus-pt.blogspot.com/\x26vt\x3d-8110302918440701225', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

13.6.07

Ad aeternum

Apercebi-me que vivo dentro de um livro. O meu corpo não é mais que um parágrafo. A minha biografia não tem direito a um capítulo inteiro, sequer. Mas um capítulo, vendo bem, é mais do que tem a maioria dos homens. Alguns têm direito a duas linhas no obituário do jornal, outros nem isso. Uma fotografia sobre o mármore é a única coisa que resta, a maior parte das vezes. Esses são aqueles que se furtam à rasura e se acolhem na memória de algo. Palavras, fotografias, um neto que persiste em perguntar pelo que desapareceu. Mas tudo isso é em vão, tudo é um destroço futuro face ao tempo, à eternidade. Face ao nada que nos apaga inexoravelmente.

Etiquetas: